O QUE É CULTURA ORGANIZACIONAL?

“Cultura organizacional é o conjunto de crenças, valores, costumes, rituais, slogans, mitos, tabus, tradições, sentimentos e comportamentos compartilhados pelos membros de uma organização” (LUZ, 2003, p. 16).

Schein (1992, p. 12) define cultura como “um padrão de suposições básicas compartilhadas, que o grupo aprendeu como resolver seus problemas de adaptação externa e integração interna e tem funcionado bem o suficiente para ser considerado válido e, portanto, de ser ensinados aos novos membros como a forma correta de se perceber, pensar, e sentir em relação a esses problemas”.

“É o conjunto de fenômenos resultantes da ação humana, visualizada dentro das fronteiras de uma sistema” (SOUSA, 1978, p. 36).


A cultura é um conceito antropológico, utilizado primeiramente por Edward Tylor (1832-1917) (RUSSO, 2010), enquanto o conceito de cultura organizacional recebeu ainda contribuições da sociologia, da história e da psicologia social (ROCHA-PINTO et al, 2007).

A cultura organizacional é a personalidade da empresa, que a distingue das outras. A cultura pode nascer conscientemente por meio dos “principais membros” ou pode aparecer naturalmente ao longo do tempo. A cultura é responsável pelo sucesso da empresa, por atrair talentos, por criar heróis (NEWSTROM, 2008), como é o caso do fundador da Apple, Steve Jobs.

Para facilitar, o Quadro 1 apresenta os conceitos e exemplos de cada um dos elementos componentes da cultura.

QUADRO 1

COMPONENTE

CONCEITO

EXEMPLO

CRENÇAS

É tudo que empresa acredita ou não. É a opinião que a empresa tem a respeito de algo ou alguém.

Acreditar que a informática é a solução para quase tudo.

VALORES

Significa a importância dada pela empresa a certas coisas, pessoas, comportamentos, símbolos. Determinam as prioridades.

Seleção de pessoas por causa de competências específicas.

COSTUMES

São práticas assumidas pela organização ao longo do tempo e tidas como regras. Alguns rituais são tidos como costumes.

O funcionário pode tirar folga no dia do seu aniversário.

RITUAIS

São certos eventos estabelecidos pela empresa e que devem seguir certas metodologias.

Cerimonia de premiação.

SLOGANS

São frases que marcam uma empresa.

“bombril tem 1001 utilidades”

MITOS

Fazem parte do imaginário. Podem se apresentar como uma estória ou uma fábula.

Reforçar comportamentos e crenças.

TABUS

São os temas proibidos, polêmicos ou mal vistos dentro da empresa.

Questionar a competência da chefia imediata.

TRADIÇÕES

Significa passar adiante crenças, costumes, valores, sentimentos, comportamentos.

Ao final do ano alguns relatórios são picotados, transformados em confetes e usados na festa de réveillon da empresa.

SENTIMENTOS

É um estado psicológico percebido por todos da organização.

Sentimento de felicidade ao atingir o objetivo desejado.

COMPORTAMENTOS

São percebidos nas ações dos funcionários, no vestuário, no vocabulário e modo de falar.

Usar terno e gravata.

Fonte: LUZ (2003); FLEURY (1996).

Ainda, a cultura organizacional influencia no planejamento estratégico da empresa, nas políticas, no relacionamento com clientes e fornecedores, no uso de tecnologias da informação, nos processos internos, na comunicação, na maneira como são geridos seus recursos humanos, financeiros, materiais, administrativos e mercadológicos. Enfim, em tudo que a organização faz ou pensa.

A cultura não é algo estático, ao contrário. Quando padrões de comportamento são passados adiantes “estes se revelam sempre passíveis de modificações, sutis ou dinâmicas, em todas as fases do processo” (KOLASA, 1978, p. 284). O mas importante é que os lideres devem ter consciência do peso que a cultura impõem sobre as atividades exercidas pela organização, porque tais transformações, lentas ou rápidas, podem ser a causa do sucesso ou fracasso da empresa.

Grandes alterações na cultura são realizadas nos recursos organizacionais (recursos humanos, recursos financeiros, recursos materiais, recursos tecnológicos), pois estes influenciam na forma como uma ou outra organização decide, estrategicamente, realizar trocas com o ambiente externo. Bem, já entendido que toda organização é um sistema aberto e, portanto, mantem uma troca constante com o ambiente externo, pode-se afirmar que o ambiente externo também impõe necessidades de mudança no ambiente interno das organizações. Aos gestores cabe avaliar que mudanças trarão vantagem competitiva. Quais são as mudanças necessárias e quais são prejudiciais.

Por outro lado, o ambiente externo também sofre mudanças impostas pelas organizações. Por isso o estudo das organizações como sistemas sociais complexos.

Portanto, as trocas entre as organizações e o ambiente externo causam alterações, inevitavelmente, em ambos.


Bibliografia

1.    LUZ, Ricardo. Gestão do clima organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

2.    SCHEIN, Edgar H. Organizational culture and leadership. 2. Ed. San Francisco: Jossey-Bass, 1992.

3.    SOUSA, Edela Lanzer Pereira de. Clima e cultura organizacionais: como se manifestam e como se manejam. São Paulo: PPGA-URGS, 1978.

4.    RUSSO, Giuseppe Maria. Diagnóstico da cultura organizacional: o impacto dos valores organizacionais no desempenho das terceirizações. São Paulo: Campus, 2010.

5.    NEWSTRON, John W. Comportamento organizacional: o comportamento humano no trabalho. 2. Ed. São Paulo: McGrall-Hill, 2008.

6.    FLEURY, Maria Teresa Leme et al. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1996.

7.    KOLASA, Blair J. Cinência do comportamento na administração. Rio de Janeiro: LTC, 1978.